quarta-feira, 28 de abril de 2010



"As vezes tu dizias: os teus olhos são peixes verdes! e eu acreditava.
Acreditava, porque ao teu lado todas as coisas eram possíveis.
Mas isso era no tempo dos segredos, no tempo em que o teu corpo era um aquário, no tempo em que os meus olhos eram peixes verdes.
Hoje são apenas os meus olhos.
É pouco, mas é verdade, uns olhos como todos os outros. "

quinta-feira, 22 de abril de 2010


Ontem...
Mais um dia em que nada parecia bater certo.
O meu estado era igual aos últimos dias.
Mas ontem e só ontem permite-me chorar durante 30 minutos, disse para mim mesma que me bastava 30 minutos para deixar sair experiências de 2 anos.
Pensei em tudo e em todos, nos que estiveram e agora já não estão pelas mais variadas razões.
Aprendi que quem gosta fica sempre e não só as vezes e ainda que quem ama não esquece e volta sempre para o lugar de onde não devia ter saido, que volta a dar-me a mão e caminha comigo por ruas e calçadas e não se importa com mais nada.
Ontem...
Foi o dia em que me permiti chorar durante 30 minutos e bastaram 30 minutos para entender que tinha chegado o dia em que finalmente te esqueci.

segunda-feira, 19 de abril de 2010

Desistir de algo não significa falta de coragem...
Mas sim, de não ter certeza de que vale a pena tentar (mais uma vez)!

domingo, 18 de abril de 2010

Os Sonhos são como bolas de sabão...
São feitos por nós e permitimos que voem alto.
O seu fim nunca muda, acabam sempre por se rebentar e cair em pedacinhos no meio do chão.
[ Chão esse que é pisado por ti ]

sábado, 17 de abril de 2010

Lesson nº 2 babe
If you loved me... You would be here with me!

quarta-feira, 14 de abril de 2010



Lesson nº1 Babe...
I´m better than your ex and better than your next! ^^

segunda-feira, 12 de abril de 2010


I know you haven't made your mind up yet.
But I would never do you wrong
I've known it from the moment that we met...No doubt in my mind where you belong.




Miss you


domingo, 11 de abril de 2010


Dançaram juntos a maior parte da noite até não poderem mais, as palavras eram escassas mas os olhares diziam tudo o que as bocas teimavam em guardar.
Estava tão feliz que acabou por esquecer tudo que a rodeava e sentia-se livre como se pudesse voar!
Foi então que voou para dentro dos braços dele.
Os olhares que tanto disseram cruzaram-se...
As bocas que tanto apostaram no silêncio uniram-se numa música marcada pelo bater dos corações.

sexta-feira, 9 de abril de 2010



I'm walking down this road alone and figured all I'm thinking bout is you...is you my love!

terça-feira, 6 de abril de 2010

Nós sempre fomos, somos e seremos as mesmas pessoas e é isso que faz comichão a muita gente.
M,C,L <3

segunda-feira, 5 de abril de 2010



O meu Coração é um mutante no meu corpo.
É um ser com vida própria, que a maioria das vezes gosta de me desobedecer.
Insiste em viajar por aí, conhece novos sítios...novas pessoas e apaixona-se!
Apaixona-se por um sorriso, uma voz, um gesto, um olhar...
Por vezes tudo corre bem e volta para dentro do corpo que julga comandar, volta cheio de vida e o seu bater forma doces melodias, mas por vezes volta frio, pisado e partido em mil pedaços!
Irrito-me e digo-lhe que já chega...já chega de fazer o que quer e como lhe apetece, que tem de começar a perceber que não se pode confiar em todas as pessoas que andam por aí, temos de ser fortes e saber dizer que não, aprender a não ceder.
Mas ele insiste em cair nos mesmos erros desculpando-se que só assim se aprende verdadeiramente o que é o amor.

sábado, 3 de abril de 2010


O Cheiro era igual e quando olhei ao meu redor nada tinha mudado.
(Só tu é que não estavas presente.)
Enchi o peito de ar, enquanto a minha mão apertava fortemente a maçaneta da porta.
Rodei e abri a porta bem devagar, tal como fazia quando queria me ir deitar ao teu lado sem que me sentisses a chegar.
Uma lágrima escorreu pelo meu rosto quando me apercebi que passados tantos anos tinha tido coragem para o fazer.
A cama continuava no mesmo sítio, na mesa-de-cabeceira a minha fotografia deu lugar ao teu retrato.
Ver-te naquela fotografia foi tão estranho, não gostavas de tirar fotografias e quando tiravas ficavas sempre com uma expressão séria, mesmo que fosse uma ocasião de alegria.
Por seres assim, a maioria das pessoas tinham medo de ti, diziam que estavas sempre mal disposto e coisas inúteis do género, lembro-me que quando ouvias um comentário desses e se eu estivesse presente, olhavas para mim… encolhias os ombros, e levavas o dedo a testa de uma forma discreta e dizias que a pessoa era maluquinha e começávamos os dois a rir.
Éramos tão cúmplices que os “outros” chegavam a ficar aborrecidos por não terem a tua atenção.
Quando finalmente entrei no teu quarto, sentei-me no meio da cama, peguei na almofada e apertei-a com força, enquanto soluçava e chorava de ódio por teres partido.
Abri o meu esconderijo preferido que agora só é usado pela avó…já não há camisas, casacos nem gravatas, não há ali nada que faça referência a ti, não há nada que mostre que vives-te ali, só as saias da avó, os casacos de peles e os vestidos cheios de cor que trouxeram de Moçambique.
Olhei para tudo aquilo e sorri, lembro-me como se fosse hoje, as vezes que brincávamos as escondidas e eu na inocência dos meus 4 anos achava o teu guarda-vestidos o melhor esconderijo lá de casa, realmente até era se eu não o escolhesse milhares e milhares de vezes sem conta.
Naquele momento o que me apeteceu foi fechar-me lá dentro e ficar a espera que batesses na porta do guarda-vestidos e dissesses que já podia sair dali, que já me tinhas encontrado.
Mas infelizmente nada disso é possível, posso sempre fechar-me ali que tu nunca mais me vais encontrar.

As minhas sapatilhas continuam rasgadas e sujas.
Os meus óculos de sol continuam a ser os mesmos com as lentes riscadas.
O meu carro continua a minha porta, no mesmo lugar, com os mesmos problemas de sempre.
O meu telemóvel continua a não apanhar rede e eu continuo a não receber mensagens.
(E vou-me mentalizando que é por isto tudo que não tenho um sinal teu.)
Mas...Qualquer dia pego nas minhas sapatilhas rasgadas e sujas, nos meus óculos de sol meto-me no carro e vou ter contigo...
E aí sem precisar de telemóvel digo-te tudo que me vai no <3!